11 Mai

Na mesa com Chandon e Villa Alexandrini

Por Lia Quinderé em 11/05/2012 às 15h21m

» Comentários (3)

Essa semana fui convidada pela Chandon para um almoço super exclusivo, no Villa Alexandrini, do Chef Charles Alexandrini, em Fortaleza. O evento contava com a presença, mais que ilustre, do Philippe Mével, diretor de enologia da Chandon, que harmonizou a refeição inteira com espumantes da marca.

Fazer esse exercício de harmonização foi muito divertido. A teoria é a mesma da harmonização com vinhos. Comece pelos mais leves, passe para os mais encorpados e finalize com alguma coisa mais doce.

O Chef Charles, que comandou o menu, arrasou. Impecável!

Começamos com a Chandon Réserve Brut como aperitivo. Ela tem uma cor delicada verde amarelada e reflexos dourados. O aroma é de características florais e frutadas e dá uma nítida sensação de frescor. Perfeita para acompanhar amuse-bouches (finger foods).

De entrada o chef nos preparou o Camarão Tropical, salteado na frigideira com abacaxi e um toque de creme de leite e leite de côco. Acompanhava duas fatias de pão de côco. O camarão estava perfeito, cozido no ponto certo. Macio e muito fresco. A combinação do abacaxi com o côco é excelente. O pão estava fresquíssimo.

Para harmonizar: Chandon Riche Demi-Sec. De cor amarelo-esverdeada, borbulhas finas e numerosas. Aroma frutado, lembrando doce de laranja e frutas secas. Tem uma boa acidez e sensação de cremosidade.
O 1º prato era o Peixe da Villa, filé de peixe grelhado, com risoto de frutas flambadas no espumante e um leve toque de menta, parmesão e manteiga. Maravilhoso. O peixe estava bem fresco. O chef costuma ir buscar os peixes na fonte, todos os dias de manhã cedo. E isso garante o frescor e a qualidade dos pratos. Sabe aquele peixe, que você não precisa nem de faca? Ele desmancha facilmente no garfo? Pois é. Divino!

Harmonizava com a Chandon Brut Rosé. Minha preferida sem dúvidas. É cor de rosa, cor vibrante e sedutora, é produzido em pequenas quantidades e possui uma riqueza de aromas de frutas e sabores (cereja, morango e notas de maçã vermelha). As mulheres geralmente adoram as Rosés.

O 2º prato era o Filé Delicado, filé suíno, marinado nos temperos da Provance e purê delicado de batata baroa, levemente amanteigado. Confesso que tive receio, por ser carne suína (não sou muito fã). Mas me surpreendeu! Super macia a carne e muito bem temperada.

Para harmonizar, o enólogo, Philippe, sugeriu a Excellence par Chandon Cuvée de Prestige. Cor clara e reflexos dourados. Borbulhas abundantes e de tamanho pequeno. Tem um aroma intenso (mel, canela, amêndoas, baunilha). Tudo muito elegante e delicado. Essa linha Excellence é uma espumante mais especial.

E por último, de sobremesa, um Maracujá em mousse. Maracujá levemente cozido com leite condensado e batido com creme de leite fresco. Estava leve, delicado e refrescante como todo mousse deve ser.

A harmonização foi perfeita. Com o Chandon Passion. Ele é perfeito para acompanhar sobremesas. A cor é mais vibrante que o Rosé, uma cor avermelhada. Aroma meio doce, com toques de maracujá, lembrando levemente o pêssego e com toques florais de rosas. Ainda pode ser servido com uma pedra de gelo! Para os que estão no verão, como nós, fica muito refrescante.

E aí? Ficaram com água na boca??

A tarde foi super divertida, com pessoas agradáveis, queridas e simpáticas. Adorei!

Na foto: Magno Freitas da Chandon, eu e Inara de Almeida (Super RP)

Eu e o Enólogo francês Philippe Mével

O Chef Charles Alexandrini e eu.

Mais informações:

www.chandon.com.br
(detalhe que é preciso ser maior que 21 anos para entrar no site)

www.villaalexandrini.com.br
Rua Frederico Borges, 81 Fortaleza – CE, 60175-040
(0xx)85 3267-1049
Funciona de segunda à sábado.


Veja mais!

Tags: , , ,

04 Mai

Adour Alain Ducasse- NY

Por Lia Quinderé em 04/05/2012 às 18h01m

» Comentários (2)

Alain Ducasse, francês, gênio. É o que tenho a dizer dele. Mais de 24 restaurantes, 01 escola de cozinha e vários livros publicados. O maior chef da atualidade, na minha concepção.

Se você está programando uma ida à Nova Iorque, vale fazer reserva nesse restaurante maravilhoso, o Adour. Ele fica na 55th Street com a 5ª avenida. Fica no mesmo prédio do hotel St. Regis.

Quando chegamos em NY, tratei logo de conseguir as reservas, e pra vocês terem uma idéia, só conseguimos a reserva às 17:45. Ou seja, final de tarde. Não seria bem um jantar, mas um almoço bem tarde…

No dia e horário marcado fomos lá, viver a experiência “Alain Ducasse”. Fomos recebidos pela host, muito elegante, que nos levou à nossa mesa. Incrível. O restaurante é lindo, super chic, e detém uma adega muito rica.

Vamos ao Menu: Eu comi o Canard a l’orange (pato ao molho de laranja) que estava divino. Cozimento perfeito, estava suculento. O Carlinhos pediu o Agneu de ferme (Cordeiro da fazenda), com cebolas caramelizadas e molho bordelaise (Bordeaux). O melhor cordeiro “ever”! Desmanchava na boca, dava até arrepio!!

As sobremesas, minha parte preferida de qualquer refeição, foram um show à parte.

Pedimos quase que uma de cada para provarmos tudo. A primeira, e a mais gostosa, foi a Chocolate Leaf (Mousse de nozes, crocante e sorvete de gianduja – avelã). Além de encantar aos olhos com sua beleza, ela era doce na medida certa. O mousse de nozes estava em perfeito equilíbrio com o sorbet de avelã e o inesperado crocante coroava a sobremesa. Acompanhava lascas de laranja caramelizadas e ouro comestível (ouro 18 quilates comestível!!)

A segunda e não menos gostosa foi a Dark Chocolate Sorbet, uma sopa de chocolate, com um toque de café gratinado e croutons de brioche caramelizados. Tinha uma textura aveludada maravilhosa. Também acompanhava o ouro comestível.

A terceira foi uma de peras, chamada Pear Composition, era feita com pêras, um creme “parfait” de mel, nozes pecans assadas e um sorvete de maple. Super leve!

E por último o Soufflé de Nozes. Acompanhava crispies de chocolate. O Soufflé é assado na hora, por isso eles pedem 20 minutos do momento que você pede até vir à sobremesa. Valeu à pena a espera.

Quando chegamos, falamos que eu era chef, formada em Paris, e o Mâitre me convidou a conhecer a cozinha. Imaginem a minha alegria… Conhecer a cozinha do grande Alain Ducasse. Rsrsr. A cozinha é bem pequena, mas extremamente organizada. O m2 na 5ª avenida é absurdamente caro, por isso, os restaurantes têm que economizar no espaço de produção e investir na quantidade de lugares e mesas.

No final, o café é servido com Macarons de chocolate e framboesa.

Très Chic! Vai ficar marcado esse dia, pra sempre! Pessoas amadas em um lugar especial!!

Categoria: Restaurantes
Especialidade: Cozinha Francesa
End: 2 E. 55th St., New York NY 10022
Tel: 212-710-2277
Preço: $$$$ (A partir de US$ 70,00)
Mais informações:

http://www.adour-stregis.com/

Aberto todos os dias para o jantar.


Veja mais!

Tags: , ,

27 Abr

Restaurante Maní

Por Lia Quinderé em 27/04/2012 às 14h05m

» Comentários (4)

Esses dias em São Paulo, marquei de almoçar com duas amigas muito queridas, a Paty e a Lara. Queríamos ir à um lugar que nenhuma das três conhecesse, mas sinceramente foi difícil porque as três gostam muito de comer bem! Rsrs

Dentre às opções, escolhemos um que eu não conhecia, o Maní. Já havia visto muitos posts sobre o lugar e confesso que todos os elogios feitos à ele foram muito verdadeiros e merecidos.

O lugar é muito despretencioso. Rústico e minimalista. A cozinha é comandada pelo casal de chefs Helena Rizzo e Daniel Redondo.

A cozinha é inovadora e trabalha com produtos orgânicos (naturais, não cultivados com agrotóxicos).

Ficamos na varanda. Super agrádavel. E pra começar, a Lara pediu de entrada umas colheres de tomate cereja recheados com um creme de mussarela de búfula , manjericão e uma pequena crosta de parmesão (Capresi). Estavam maravilhosos!!

 

Eu pedi uma entradinha de rosbife com mostarda, servidas em um chip de batata bem fininho. Muito leve! E muito saboroso!

E a Paty pediu uns bolinhos de arroz com açafrão servidos com uma geléia de pequi. Como ela não gosta muito de pequi, ela pediu uma mostarda para acompanhar. Os bolinhos são bem macios e não são gordurosos.

Eu e a Lara pedimos como prato principal o Bobó de Camarão, que estava divino. O Camarão estava no ponto certo de cozimento. Muito macio. O Bobó estava desmanchando na boca… O prato acompanhava shitake (cogumelos), que estavam em perfeito equilibrio com o camarão.

A Paty pediu um Atum, que estava muito suculento e bem apresentado. Ela adorou. A beterraba é bastante presente nas criações dos chefs).

De sobremesa, a Lara pediu Brigadeiros, que vieram em um pratinho cheio de formiguinhas desenhadas, uma fofura! Brigadeiro cozido no ponto, na textura correta.

Os brigadeiros da Lara nós comemos as três, porque é impossível resistir à um bom brigadeiro…

Eu pedi uma sobremesa de espuma de nutela com sorvete de gengibre. Super leve e refrescante.

 

A Paty pediu um flan de queijo com sorbet de goiaba. Bem levinho e gostoso.

Nosso almoço foi especial! Adorei as companhias! Obrigada meninas!!

Categoria: Restaurantes
Especialidade: Cozinha contemporânea
Endereço: Rua Joaquim Antunes, 210
Bairro: Pinheiros / Vila Madalena
Tel.: (011) 3085-4148
Preço: $$$ (de R$ 91,00 a R$ 150,00)
Mais informações: www.manimanioca.com.br

De terça a sexta das 12h00 às 15h00
Sábado das 13h00 às 16h00
Domingo das 13h00 às 16h30
Segunda – Fechado
Obs.: Funciona também das 20h00 às 23h30 (quinta até 00h00, sexta e sábado jantar das 20h30 à 00h30). Domingo apenas almoço.
Acesso para deficientes físicos
Tem Wi-Fi
Manobrista (valet)


Veja mais!

Tags: ,